sexta-feira, 26 de junho de 2015

Volkswagen Fusca, Beetle 1302 e 1303, o Super Beetle.


  Na última segunda-feira, 22 de junho, foi comemorado o dia Mundial do Fusca. Como não poderia deixar de ser, o Brasil é um dos países onde o modelo tem uma enorme admiração. Quem nasceu anteriormente a segunda metade da década de 1990, é quase certeza de ao menos uma vez na vida ter andado em um besouro. O Fusca teve no Brasil um papel muito importante no desenvolvimento da industria automobilística nacional, assim como o desenvolvimento do interior do país, uma vez que uma característica marcante do carro sempre foi sua capacidade de rodar por terrenos por onde a maioria dos veículos simplesmente ficavam no caminho.
Onde muitos não passam, o Fusca se sente confortável.
  Mesmo com as diversas melhorias que a Volkswagen introduziu no seu carro chefe por anos no país, o nosso Fusca jamais pode ser comparado aos modelos 1302 e 1303, o famoso Super Beetle, a evolução final do besouro. Em 1971, começa a venda no mercado europeu do Beetle, frente remodelada com abertura do capô elevada, o estepe passava a vir em posição horizontal, o que aumentava a capacidade de carga e a absorção de impactos em caso de acidentes, a mudança na posição do estepe não foi por acaso, a partir do 1302, o Fusca contava com suspensão dianteira do tipo McPherson, no lugar da dupla barra de torção transversal, ainda em decorrência dessa mudança, a distância entre-eixos aumentou, assim como o raio da direção, o que melhorou muito as manobras em locais apertados. Externamente, o 1302 assemelha-se muito ao Fuscão brasileiro, inclusive no desenho das lanternas traseiras.
Cutaway do 1302, para brisa reto, suspensão McPherson e estepe deitado.
  No ano de 1972, o Super Beetle recebia uma janela traseira 11% maior em relação ao modelo do ano anterior, o freio dianteiro era redimensionado, na tampa traseira agora traziam 4 fileiras de aletas para refrigeração, duas anteriormente, as lanternas traseiras passavam a incorporar as luzes de ré, a coluna de direção passava a ser do tipo escamoteável, deformava-se em impactos, reduzindo as possíveis lesões no motorista e por fim, no compartimento do motor era adicionada a toma de diagnóstico do sistema de injeção de combustível.
1972, vidro traseiro maior, tampa do motor com mais aletas e lanternas iguais a do Fuscão.
  1973, chegava em fim o modelo 1303, o detalhe mais marcante ficava por conta do para-brisa curvo e mais avançado em direção a dianteira do carro, essa solução além de aumentar a visibilidade, permitiu a adoção de um painel acolchoado e não mais instrumentos fixos à carroceria. Ainda na parte interna, era agora equipamento de série o ventilador de 2 velocidades com aquecedor integrado. Os para-lamas traseiros estavam mais altos e as lanternas traseiras maiores, conhecidas no Brasil como Fafá. Na linha 1974, os para choques eram substituídos por modelos tubulares com amortecedores de impacto, seguindo a lei norte americana, onde o equipamento deveria resistir a pequenos impactos em velocidades de até 5 mph, além disso, a fixação da estrutura da suspensão era modificada.
1303 1974 modelo americano, para brisa curvo e avançado, nos para choques amortecedores de impacto.
  Para 1975, a versão com capota rígida era oferecida apenas na versão  Le Grande, que era equipada com teto solar, bancos estofados em veludo cotelê e volante com revestimento em couro. Os modelos destinados aos mercados estadunidense, canadense e japonês vinham com o sistema Air Flow Control, um sistema de injeção Bosch mais sofisticado, equivalente ao L-Jetronic. Junto ao sistema de alimentação vinha um novo silencioso para o escapamento que podia contar com catalisador, item exigido em estados como a Califórnia. Os modelos injetados eram facilmente reconhecidos pela chapa defletora abaixo do para choque traseiro e a da única saída de escape. O sistema de direção passava a ser do tipo pinhão e cremalheira, mais preciso do que o antigo de rosca e sem-fim. 1976. marcou o início do declínio do Super Beetle, a opção de cambio automático, a AutoSkick não era mais oferecida, as versões conversível e teto rígido recebiam apenas pequenas alterações cosméticas, o fim chegaria em 1979, com a Epilougue Edition, na cor preta em referência aos primeiros Fuscas da década de 1930.
Epilougue Edition de 1979 conversível, disponível apenas na cor preta, pela única saída de escapamento é um carro equipado com injeção Bosch L-Jetronic, as lanternas do 1303, no Brasil conhecidas como Fafá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários ofensivos ou que não tenham relação com o assunto do blog não serão publicadas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...